quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Gerenciando os Produtivos e os Improdutivos


  “Devemos tratar igualmente os iguais e desigualmente os desiguais, na medida de sua     desigualdade”    Aristóteles

Você acha que como gerente ou líder a sua missão é ficar somente ao lado dos funcionários menos produtivos para controlar e instruir? Você acha que sem o seu apoio eles vão fracassar não só como indivíduos, mas podem também comprometer a equipe?
Você deve pensar:

“Por que passar a maior parte do meu tempo com aqueles funcionários produtivos se eles fazem bem o se serviço? Eles não precisam de mim!”

Existem algumas correntes que descrevem a função de um gerente ou líder como a de instruir e controlar. Se você acha que esta é a sua função, controlar pessoas, mudá-las, estabelecer padrões, então realmente você deve passar a maior parte do seu tempo com os funcionários menos produtivos para manter o controle, mesmo que isso não seja produtivo.
Gerentes de grandes empresas não têm a função de instrutor e muito menos de controlador mas  de catalisador, ou seja, ele transforma talento em excelente desempenho para no futuro esses talentos assumirem cargos de liderança e dar continuidade ao sistema de  dinamização de talentos. 

Baseado nesta ideia, o gerente deve dividir o seu tempo com os melhores e com os menos produtivos. Com os melhores, além de impulsionar estes para a excelência, também consegue descobrir os padrões que determinam essa excelência. O talento é multiplicador, pois quanto mais atenção você dá, maior o retorno. Observe que eu usei as palavras “impulsionar”  e “atenção” o que é diferente de impor métodos e controlar.
Se você fica muito tempo longe dos seus melhores, pode estar destruindo seus talentos. Talvez seja por esse motivo que grande parte das empresas não consegue retê-los por muito tempo. Então, quanto menos atenção você coloca nos comportamentos produtivos, quanto menos estimula, menos produtivo ele se torna.

Os psicólogos afirmam que quando não há o feedback ou acompanhamento de talentos existe a “extinção”.  O reforço é o feedback positivo, punição é o negativo e  ausência de feedback e de acompanhamento é a extinção, um sentimento comum em grande parte das empresas.

Gerenciando os pontos fracos

Focar o tempo nos funcionários com melhor desempenho não quer dizer que os gerentes não vão cuidar dos funcionários menos produtivos, não, nada disso! É necessário  atenção especial a esse funcionário e “atacar” as causas do baixo desempenho assim que percebidas, exatamente como uma doença. 

As causas mais comuns do baixo desempenho são:

Mecânicas:  Quando a empresa precisa investir em treinamentos para desenvolver habilidades ou comportamentos, causas decorrentes da falta de comunicação entre a equipe, falta de planejamento, de metas e distribuição de trabalhos, entre outros.
A maioria das empresas prefere focar em feedbacks, cobranças de metas e avaliações desastrosas de desempenho do que investir em  cursos para desenvolver as habilidades de  um funcionário.

Pessoais: Funcionários que estão com problemas pessoais como  relacionamentos, filhos  ou familiares. Neste caso um feedback, uma conversa informal ou treinamento motivacional também é uma solução.

Motivacional: Muitos gerentes não sabem estimular adequadamente a sua equipe, por exemplo, tentam motivar uma pessoa não competitiva com disputas entre os membros da equipe. Cada  funcionário tem a sua mola propulsora da motivação e esse  baixo desempenho pode estar nas mãos do gerente, basta acionar a mola certa. Algumas pessoas também precisam de autonomia para aprender com o próprio fracasso até desenvolver seus métodos, por esse motivo, como disse Aristóteles "..trate desigualmente os desiguais" e acima de tudo não trate os outros como você gostaria de ser tratado, mas como ele gostaria.

 Se você pensar naquele funcionário menos produtivo e analisar que ele não se enquadra em nenhuma das  causas descritas acima, então o motivo para o baixo desempenho é a falta de talento para aquela função. Neste caso, ao contrario do que dizem livros e alguns especialistas, o treinamento não é uma opção, nem feedbacks e nem investimento em Coaching. É preciso aceitar que as pessoas não são perfeitas e não são massinhas de modelar que você coloca  em um molde e transforma em outra. Focar nos pontos fracos e tentar transformá-los em fortes, baseados em uma lista de competências definidas para aquele cargo também não é o mais adequado, ao contrário é destrutivo para a autoestima do funcionário como ser humano.
Ninguém se torna mais competente e infalível dentro de uma função  em um passe de mágica se não tem aquele talento. A boa notícia é que todos nós temos talento e cabe ao gerente identificar qual é o daquele funcionário e realocá-lo na posição correta. Na verdade, isso deveria ser feito na contratação.

Um case que aconteceu comigo pode ilustrar melhor a ideia que abordei:
Quando era prestadora de serviços na área de publicidade e marketing de uma empresa de embalagens, em uma reunião geral com todos os gerentes, um deles pediu a demissão de uma funcionária alegando baixo desempenho para a função. Essa funcionária foi realocada do departamento financeiro para a contabilidade sem sucesso, por esse motivo o gerente alegou que ela deveria ser demitida. O Diretor negou a demissão e alegou que deveria existir na empresa um departamento onde a funcionária pudesse se descobrir e desenvolver o seu talento. Essa reunião aconteceu em 2001 e em 2007 essa funcionária se tornou a gerente de RH.

Para resumir:
  • Foco nos  funcionários produtivos para faze-los cada vez melhores e conhecer os padrões da excelência;
  •  Descobrir a causa da improdutividade nos funcionários com baixo desempenho e “atacar” no início; 
  •  Cada talento no seu quadrado;
  • Pessoas não são massinhas de modelar que você transformar em qualquer coisa..

Quer enviar este texto para amigos ou colaboradores? Quer publicar em outro Blog ou no LinkedIn? Você pode fazer isso desde que mantenha os créditos do autor Myrian Mourão